Reflexões e trabalhos realizados no âmbito do Mestrado em Educação, área de especialização em Educação e Tecnologias Digitais, regime à distância, da Universidade de Lisboa (2012-2014).

Educação e Tecnologias Digitais

Reflexões e trabalhos realizados no âmbito do Mestrado em Educação e Tecnologias Digitais.

Emoções e Comunicação mediada por Computador e FaF

Emoções e Comunicação Mediada por Computador (CMC) e Face a Face (FaF) Como se exprimem as emoções online? Existem diferenças significativas no modo como exprimimos emoções num ambiente virtual e num ambiente presencial, face a face?

CMC - comunicação pode ser:

  • síncrona (chat, MSN)
  • assíncrona (fórum, email)

CMC pode ser de um para um (email, MSN), de um para muitos (mailing lists) e de muitos para muitos. CMC é maioritariamente escrita o que exige competências nesta área, nomeadamente na escrita no teclado. Exige também a comunicação de expressões e emoções através da escrita.

Para que se usa a CMC?

  • interações pessoais e profissionais (manter relações com amigos, amorosas, familiares e colegas, completar tarefas e atividades de cursos online… e também para comunicar emoções)

O que distingue comunicar emoções via computador e Face-a-Face (FaF)?
Há ainda pouca investigação neste domínio e a que existe tem-se restringido à comunicação das emoções por meio da escrita.

O que é exprimir emoções via computador?
Reconhecimento, expressão e partilha de emoções ou estados emocionais entre dois ou mais indivíduos. Nesta definição está incluída a comunicação implícita e explícita.
A comunicação explícita das emoções envolve referência a emoções discretas com recurso a descrições verbais (isto é assustador), expressões e tendências para agir (gostaria de te bater) e símbolos (emoticons).
A comunicação implícita refere-se ao estilo comunicacional da mensagem que pode ser inferido a partir do grau de envolvimento pessoal, da autorrevelação, da linguagem usada, etc.

Diferenças:
A principal característica que distingue estes dois modos de comunicação (via computador e FaF) é a presença social que tem duas dimensões: física e social. A dimensão física implica localizar alguém no espaço ou em co-presença. Esta última (co-presença) está ausente na CMC e a primeira (localizar alguém no espaço) é possível via videoconferência ou web câmara. A dimensão social refere-se à saliência da presença do outro e às normas que regem as condutas sociais. Estas duas características podem ser menos evidentes na CMC, mas nem sempre é assim. Podem induzir até uma maior normatividade devido à reduzida presença social.

Alguns estudos sobre o papel das emoções na comunicação mediada por computador

Dois tipos de estudo:
Que examinam explicitamente a expressão das emoções;
Que estudam as emoções de modo implícito (estilos emocionais e auto-revelação, tipo de discurso).

QUESTÕES GERAIS
Será que a comunicação das emoções é mais difícil na CMC ou FaF?
Será que as emoções são comunicadas de modo diferente nos dois meios?

Conclusões:
A CMC não é menos emocional nem menos envolvente que a comunicação FaF. Algumas pessoas até a consideram mais envolvente e mais emocional. As duas formas de comunicação são muito similares na forma como exprimem as emoções. As diferenças estão a favor da CMC pois esta favorece a comunicação explícita das emoções (estilos emocionais) .

QUESTÕES ESPECÍFICAS
As pessoas falam mais ou menos de emoções FaF ou na CMC?

Nas relações FaF:

  • as pessoas têm necessidade de falar e refletir sobre as suas emoções;
  • falam logo depois de as experienciarem (à exceção da vergonha) e se experiência emocional foi muito intensa;
  • as mulheres falam mais das emoções entre si, com os parceiros e outros homens;
  • os homens têm mais tendência para falar das emoções com as mulheres (sobretudo as parceiras)
  • é comum depois da partilha a pessoa que ouviu ir partilhar com uma terceira pessoa, mesmo que garanta confidencialidade;
  • a revelação das emoções facilita as relações sociais e contribui para o bem-estar psicológico.

Nas relações CMC:

  • estudos recentes mostram que é mais fácil comunicar emoções via computador do que FaF: exemplos disso são as ferramentas que permitem comunicação síncrona como o MSN;
  • a CMC torna-se vantajosa para pessoas que têm dificuldade em comunicar FaF;
  • já existem terapias feitas via computador, parece que este tipo de terapia tem efeitos positivos quando comparados com a terapia FaF.

Conclusões:
As mulheres falam mais do que os homens das suas emoções, são mais polidas nas interações e comunicam mais emoções positivas do que negativas, tanto na CMC como na comunicação FaF. Ou seja, as diferenças de género encontradas na CMC no que se refere à partilha e à autorrevelação são semelhantes às diferenças encontradas nas relações FaF. As pessoas mais tímidas e com dificuldade de contacto visual beneficiam deste novo meio de comunicação, devido à não presença física, à falta de visibilidade e ao anonimato.

Como reconhecem e exprimem as emoções nos dois modos?

Partilhar socialmente as emoções e encontrar apoio não é o mesmo que exprimir diretamente as nossas emoções face ao “objeto” dos nossos sentimentos. Ou seja, temos mais tendência a partilhar as nossas emoções junto de pessoas em relação às quais não tivemos a emoção que estamos a exprimir.

Nas situações FaF:

  • nestas situações exprimimos mais as emoções do que quando estamos sós;
  • as emoções negativas tendem a ser expressas mais em privado ou no contexto de uma relação íntima;
  • os homens têm mais tendência a exprimir com mais facilidade emoções negativas em contextos sociais do que as mulheres, sobretudo raiva e zanga;
  • as mulheres preferem exprimir essas emoções em contextos mais isolados ou com pessoas íntimas;
  • os fatores sociais afetam a expressão das emoções FaF nomeadamente a pessoa com quem se interage e o tipo de relação que com ela se tem.

Na CMC:
(síncrona e assíncrona)

  • há mais expressão de emoções negativas e de um modo mais desinibido como, por exemplo, insultar, ofender, fazer comentários hostis e manifestar posições e argumentos fortes (do que na comunicação FaF) devido ao anonimato e à invisibilidade do outro...
  • ...mas também pode haver mais expressão do “verdadeiro eu”.

Que consequências tem a redução da presença social e da visibilidade na comunicação das emoções?

Na CMC:
As expressões corporais das emoções completam a sua expressão verbal, quer para reforçar quer para contradizer essa expressão verbal. A falta deste meio pode levar a desentendimentos mas também pode conduzir a uma maior explicitação do que se deseja comunicar.
A CMC não é totalmente desprovida de comunicação não-verbal. Existe toda uma simbologia para as comunicar: os emoticons. Como na FaF os homens usam mais emoticons que expressam emoções negativas do que as mulheres, embora ambos os géneros utilizem emoticons.

Conclusões:
Parece que com o tempo a comunicação FaF e a CMC não se diferenciam em termos de expressão dos nossos estados emocionais e de fornecer informações pessoais. Parece até que, devido à falta de expressão física das emoções, as pessoas tendem a expressar de modo mais explícito o que pensam e sentem numa comunicação mediada por computador. Este resultado é sobretudo válido para as pessoas com uma certa timidez, que têm problemas com a autoimagem ou com inibição social.

Referência:

Miranda, G. (s.d). Emoções e Comunicação Mediada por Computador (CMC). [Vídeo online]. Retirado de: http://webhosting.bombyte.org/~joao.gama/guilhermina/m4/EmocoeseComunicacaoMediadaporComputadorCMC.swf

Ver Emoções

Modelo 4C-ID
Indicadores de Qualidade de Cursos Online